Descrição

"How would the painter or poet express anything other than his encounter with the world“  - Maurice Merleau Ponty

 

“Grande parte do movimento moderno desenhou o intelecto e o olhar, mas deixou de parte o corpo humano e as suas sensações – (...)- como também deixou as memórias e os sonhos desalojados.” - Juhani Pallasmaa

 

O trabalho baseia-se no encontro do Homem consigo próprio e fá-lo através dos sentidos.

A arquitectura actual possui a facilidade dos avanços tecnológicos que todos os dias inundam os gabinetes com novos materiais. Contudo essas facilidades fizeram com que a maioria das construções sejam desprovidas de presença, são fruto do consumo desenfreado, da ostentação e muitas das vezes do Ego do seu criador. Hoje a arquitectura é dotada de um star sistem que dita as tendências e o mundo vê-se a braços com políticas de crise e austeridade. Todas estas componentes fizeram um cocktail explosivo e quando olhamos para o landscape das cidades percebemos que o conceito de habitar está degradado.

            Com este trabalho pretendemos devolver ao Homem, em qualquer lugar do mundo, praça, jardim, descampado, parque de estacionamentos de grandes centros comerciais, etc. o direito de habitar o planeta sem estratificações de qualquer tipo.

            Fizemo-lo voltando ao imaginário das crianças, ao tempo dos sonhos e da curiosidade e de uma forma simples e pura criamos uma multiplicidade de espaços que permitem a cada um, de forma singular; Ser e pensar.

À imagem da casa comum, subtraímos-lhe a massa, como alegoria ao presente e a realidade na qual vivemos; pois ambos dependem de como olhamos e sentimos. É também um símbolo da mudança, pois a ausência de massa deu um carácter de estaleiro aos alçados, mas também de leveza que se veio contrapor à imagem das caixas de betão.

            Dentro do espaço da casa colocamos 5 caixas em betão branco no exterior e preto no interior, para manter o jogo de oposições.

            Trilhamos um percurso cenestésico que começa a Norte e acaba a Nascente, nele encontramos primeiramente o volume da purificação que pretende apurar os sentidos da visão e da audição.

            Na caixa seguinte encontramos as sombras, que simbolizam o ar, pretende-se que o indivíduo se questione sobre a veracidade do que vê e também que essa experiência visual assuma características tácteis, de sentir com a mão a forma que observa.

            Nos percursos entre as caixas estamos em constante presença da terra, da natureza, do uso olfacto que remete para as memórias e a busca do Homem, através das clareiras que foram criadas com a subtracção do volume total.

            Num terceiro momento, o visitante é confrontado com a luz, que simboliza o fogo e do sentir através da pele.

            Nos dois últimos espaços após restabelecido o equilíbrio dos sentidos e aberta a alma e a mente encontramos um espaço com livros e um outro de diálogo, de música, de troca pois a casa dos Pink Floyd é o que cada um quiser fazer dela.

Quisemos com este projecto devolver ao Homem um lugar onde pulsar com o mundo, um espaço que apelasse à solidariedade e à força do uso da palavra.

Portraits

01 exterior viewA.jpg
01 exterior viewA.jpg
press to zoom
02 exterior view detail.jpg
02 exterior view detail.jpg
press to zoom
03 concept.jpg
03 concept.jpg
press to zoom
04 program.jpg
04 program.jpg
press to zoom
05 initiation room - water.jpg
05 initiation room - water.jpg
press to zoom
06 revelation room - shadows.jpg
06 revelation room - shadows.jpg
press to zoom
07 purification room - light.jpg
07 purification room - light.jpg
press to zoom
08 knowledge room - books.jpg
08 knowledge room - books.jpg
press to zoom
09 reflection room - music.jpg
09 reflection room - music.jpg
press to zoom
10 plan.jpg
10 plan.jpg
press to zoom